domingo, 12 de dezembro de 2010

ENTREVISTA COM O CARICATURISTA-MOR TUPINIQUIM, DA ATUALIDADE, BIRA DANTAS!


Ele é jovem, dinâmico, talentoso e nasceu com o
 dom de fazer caricaturas, como ninguém. 
Nesta sensacional entrevista ele revela fatos
 que até então até eu desconhecia, principalmente, 
no que tange a sua atuação política e sua 
frutífera e bem sucedida carreira profissional.
 Este grande mestre do traço e do bom humor
 também adora viajar e aqui vai nos revelar 
um pouco de suas experiências fora do Brasil
 e de suas conquistas mundo afora.
A seguir confira esse bate-papo 
gostoso com o bengala brother...

BIRA DANTAS,
 O REI DAS CARICATURAS!
A esposa, doutora Cláudia e Bira Dantas

Tony – Olha, a cada dia que passa me sinto mais honrado
em poder entrevistar as verdadeiras feras do mundo 
editorial brasileiro e das HQs, pra este Blog. 
Gente, como você, meu bengala-friend, Bira, que taí,
 na ativa, e não é de hoje, fazendo acontecer e 
nos fazendo rir com suas geniais caricaturas e
 belas HQs. Bem, mas, vamos começar o 
nosso bate-papo. OK? Vamos lá... 
Em que estado você nasceu e qual sua idade?

BIRA: Nasci em SP. Tenho 47 anos.

Tony – Ainda é um jovem mancebo... digo, um 
bengala young... (Rsss...). Como e quando você 
começou a se interessar por desenhos?

BIRA: - Desde bem pequeno. Minha mãe fala que
 aos 4 anos eu nem ligava pra injeção, desde
 que a parede da pediatria fosse repleta 
de personagens infantis. Mas o interesse ficou
 forte mesmo com os desenhos animados
 (ou desanimados) dos Heróis Marvel na TV. 
Depois, seriados como National Kid, Besouro 
Verde e Vigilante Rodoviário e animes como 
Super Dínamo, Fantomas e a Princesa e o 
Cavaleiro, ganharam minha atenção.


Ele foi o primeiro super-herói da
TV brasileira, nos anos 60




Nacional Kid enfrentava os Incas Venusianos e outros
perigos vindos do espaço


Imagem da nova versão de Besouro Verde. Na primeira
versão, feita pra TV,  na década de 60, a série
feita pelos mesmos produtores de Bat Man, não
fez sucesso na América, mas emplacou em
Hong Kong, graças ao mordomo do herói,
Kato (Bruce Lee), que desferia golpes
espetaculares e roubava as cenas


O novo filme não agradou os antigos fãs do
antigo seriado


Vigilante Rodoviário - Primeiro seriado
produzido no Brasil, para a TV (anos 60), pelo
genial Ary Fernandes. Fez  muito sucesso.
Super Dinamo fez um grande sucesso na TV  brasileira




A princesa e o Cavaleiro - Os animes
Made  in  Japan sempre agradaram
as crianças do Brasil
Finalmente conheci Tarzan, Asterix, Flash
 Gordon, no suplemento de Quadrinhos o 
Globinho, que acompanhava o jornal o Globo
 aos domingos. A gente morava no Rio e meu
 pai sempre comprava. Eu lia e copiava.






Tony – É... apesar de ser uma meleca, aqueles "desenhos
 desanimados" da Marvel, eles também me fizeram 
a cabeça... (Rsss...). Eram novidades. Nacional Kid? Putz... 
eu vivia enchendo as páginas do meu caderno escolar 
com esse antigo e genial herói japonês, criado pela 
companhia National para divulgar seus produtos... Opa!
 Quer dizer que você... “Nem ligava pra injeção, desde
 que tivessem personagens infantis nas paredes
 da pediatria?” (Rssss...). Esta foi muito boa... (Rsss...).
 Nunca tinha ouvido uma história dessa... 
podiam furar seu traseiro, a vontade? (Rsss...).  
Se não me engano, na década de 70 o estúdio Ely 
Barbosa estava produzindo no Brasil, para a 
editora Rio Gráfica (atual Globo), os personagens 
Hanna-Barbera. Eu também estava por lá, fazendo
 Trapaleão e a Formiga Atômica – passávamos 
o dia todo na sala de exibição de filmes da VIACOM, 
com o Alvaro Figueiredo, na rua 24 de maio, no
 centro de S. Paulo, trancafiados, assistindo esses
 novos desenhos, para preparar os model sheets,
 pois nem na América havia HQs deles. 
Fizemos as primeiras aqui no Brasil. Mas, eu não sabia
 que você também circulava por lá na mesma época. 
Então, tudo indica, que você começou fazendo 
histórias em quadrinhos, certo?

Os Tutti-Fruttis - Uma das muitas
criações do publicitário, animador
e desenhista de HQs Ely Barbosa


O criativo Ely Barbosa (1939\2007)


BIRA - Isso mesmo. Eu entrei lá em 1979, e 
o Ely ainda estava produzindo HB pra RGE. 
Você não tinha como me conhecer, eu era um 
novato de 17 anos, maravilhado 
com um estúdio de Quadrinhos. 
Lembro de João Batista 
Queiroz desenhando maravilhosamente
Falcão Azul e Bionicão. Logo depois, o Ely 
começou com o projeto dos Trapalhões, com
 o model sheet desenvolvido pelo Carlos 
Cárcamo (irmão do ilustrador Gonzalo), 
com o traço maravilhoso de desenhistas
 como Eduardo Vetillo, Sergio Lima, 
Carlos Migliorin, Kymura, Mingo, Watson
 Portela, Bonini e tantos outros. 
Depois, Arthur Garcia, Aparecido (Mimoso), 
Pontes, Morettini. Escrevi sobre essa 
época aqui:


http://www.bigorna.net/index.php?
secao=birazine&id=1173761595

Tony – O mundo é pequeno, mesmo... na certa,
 trombamos por lá, e eu nem sabia disso, my friend... 
quanta gente boa você lembrou agora... Queiroz, o
 grande mestre; Mingo – nunca mais ouvi falar deste 
grande amigo -; Vetillo, Sergio Lima, Bonini e os
 demais. Bons tempos aqueles... (Rsss...). Precisamos 
achar essa gente que anda sumida... mas, Let’s go... 
Por que você decidiu largar as HQs e partir 
para as caricaturas? Em que ano tomou
 esta decisão radical?

Bira numa exposição realizada
num Shopping em Campina


BIRA – Em 1982. Eu já era um jovem esquerdista 

engajado em campanhas sindicais e partidárias. 
Fui um dos fundadores do PT em 1980. 
Paralelamente ao colegial e ao Gibi dos Trapalhões, 
participava de um Núcleo do PT no Tatuapé.
 Fazia charges, cartazes, panfletos (que, depois
 de impressos, distribuía nas fábricas),
 participava de reuniões, era um militante mesmo. 
Junto com o Marquinhos e o Sérgio Domingues 
editamos um zine de educação e cultura
 chamado Libertas. O Sérgio mantém um blog
 interessante em que fala até de Quadrinhos.


http://revolutas.locasite.com.br/imprimir.php?ID=1498  
Foi nessa época que conheci dois grupos 
importantes: o Oposição Metalúrgica de São Paulo
 e a Oposição dos Químicos. Tem um pouco dessa história aqui:


http://www.bigorna.net/index.php?
secao=birazine&id=1157317820 

Eu conheci nessa época o Éton, um dos maiores 
cartunistas sindicais do Brasil. 
Fiz algumas entrevistas com e sobre ele: 
http://www.bigorna.net/index.php?secao=
birazine&id=1172028015 
http://www.bigorna.net/index.php?
secao=birazine&id=1242011127 


Quando a Oposição dos Químicos ganhou
 a eleição (com nomes como Domingos Galante, 
Jorge Coelho, João Bigode, Nilza, Margarida –
 ganhei dela a revista de cartuns cubanos Dedete -
 e tantos outros), fui contratado como ilustrador, 
com carteira assinada, piso de jornalista e jornada
 de 25 horas semanais. Quando falei que 
tinha recebido essa proposta o Ely nem acreditou.
 Como free-lancer eu ganhava menos que a 
metade do que ganharia como chargista e trabalhava
 de 12 a 14 horas diárias em casa. Troquei na hora.
 Mas no sindicato sempre produzi tiras e Gibis, 
pois tem uma linguagem diferente e mais 
abrangente do que a charge.


Tony – Cacilda... aposto que muita gente não sabia disso... 
muito bom. Um militante precoce, pelo visto? 
Mas, engajadíssimo. Parece que o genial Baraldi seguiu a
 mesma trilha... essa do emprego, com piso de jornalista, 
foi uma grande jogada, Bira. Entrou na coisa 
com o pé direito. Parabéns...
Nunca fui a favor do PT, mas independentemente
 da sua opção partidária seu trabalho é sensacional e 
é isto o que importa. O resto é resto.  Admiro muito 
seu trabalho. Sou seu fã e sei que nem todo desenhista
 consegue fazer uma boa caricatura. Pergunto: 
Qual é o segredo para quem quer se 
tornar um bom caricaturista?


BIRA  – Muito obrigado, Tony. No estúdio do Ely 
tinha um caricaturista fantástico, o Cleiton Caffeu. 
Ele adorava o Mort Drucker e fazia caricas de 
todo mundo lá. Outro que tinha o “dom” da 
caricatura era o Vetillo, que desenhava o
 pessoal do estúdio nos Quadrinhos dos Trapalhões. 
Com esse meu engajamento, fazer caricatura
 era totalmente necessário. 
Assim fui pesquisar os clássicos J.Carlos, 
Belmonte, Alvarus, Mendez, os alternativos
 (Pasquim, Movimento, Versus) Ziraldo, 
Trimano, Loredano, Sábat, Henfil, Paulo
 e Chico Caruso. Depois veio a geração 
de Laerte, Nani, Angeli, Glauco, Luiz Gê,
 Maringoni, Jal, Xalberto, Orlando, Spacca, 
Baptistão, Carlinhos, Osvaldo Pavanelli, 
Seabra.


O Brasil sempre foi um grande celeiro de bons
cartunistas, como: Péricles - O Amigo da Onça...


... os incríveis personagens de Henfil...


... de Clauco, e outras feras do traço.


Geraldão - de Clauco - inicialmente
saiu em tiras de jornais e depois
em forma de revista, pela Circo Editorial
e pela Nova Sampa Diretriz
O cartunista Angeli, criador da
série Chiclete com Banana
Aí conheci os fantásticos caricaturistas 
estadunidenses Levine, Hirschfeld, 
o pessoal da MAD; os argentinos, franceses
 (Morchoisne, Mulatier, Rampal, Ricord, Plantu), 
os campinenses Paulo Branco, Dálcio, Rossi, 
Félix, Stegun, Dellova, André Pádua, Evandro;
 o belga Jan Op de Beeck, o alemão Sebastian 
Kruger. Fui percebendo as diferenças de
 traço, distorção, valorização... e continuo
 aprendendo até hoje, tendo minha mulher 
e filha como principais críticas. 
E posso afirmar, caricatura é uma arte difícil, 
mas possível de ser aprendida.

Bira no Museu da Caricatura, na Argentina


Tony – Haja estudo, pois ao meu ver um bom 
caricaturista deve ser, antes de tudo, um grande 
observador. Mas, pelo visto, você foi lá no fundo
 do baú para “beber na fonte” dos grandes mestres
 do passado e de seus contemporâneos. Muito bom... 
isto é que a galera nova tem que fazer, pesquisar
 os grandes mestres do passado pra baixar 
inspiração ou uma “bela musa inspiradora”, d
e preferência... (Rsss...). Faço caricas, mas levo um 
século... (Rsss...). Tenho que ficar estudando a foto 
do cara uma eternidade. Conclusão: Não nasci pra coisa,
 mestre... Continuando... Quando nos encontramos
 pela primeira vez, na entrega do Troféu Angelo
 Agostini, no SESC Lapa – pois o grande Worney, 
um incansável batalhador das HQs e um dos idealizadores 
do Troféu Angelo Agostini -, me convidou para que
 eu entregasse ao mestre e amigo Salatiel de Holanda
 o troféu Mestre dos Quadrinhos -, você me deu 
uma espécie de revista\catálogo dos seus trabalhos, 
em dois idiomas: inglês\Português. Quando a li 
fiquei impressionado com os inúmeros prêmios 
que você tinha ganhado em exposições internacionais 
de cartuns e caricaturas. Guardo aquela edição, com 
amor e carinho, na minha estante, até hoje. 
Você sabe em quantos desses eventos  participou?
 E quanto prêmios você já abocanhou?


BIRA – Não (risos)! Eu já mandei trabalho pra 
tanta exposição, participei de tanta palestra,
 mesa- redonda, que perdi a conta... 
Quando meu velho fotolog.com ainda estava no ar, 
eu tinha como checar isso, pois documentava 
tudo, mas fui denunciado por algum sacana
 direitista (disse que eu postava palavrões
 ou fotos pornôs, nunca fiz nenhuma das duas coisas) 
e deletaram meu flog. Acabei criando um novo, 
mas aquele que tinha arquivos de uns 7 anos,
 dançou. Prêmios foram 13, acho...
Além de algumas exposições históricas de
 Quadrinhos (como a que o Franco organizou no 
Centro Cultural Vergueiro, em 1987) e no
 prédio da Gazeta na Paulista (em 1988), as
 Expos anuais da Pandora em Campinas
 (incluindo a de Angelo Agostini, que peregrinou 
o ano inteiro na cidade, tendo sido vista por 
mais de mil pessoas), participei em países 
como Irã, Sérbia (com B mesmo), França, Rússia,
 Coréia do Sul, Argentina, Polônia (onde, graças 
ao Marko Ajdaric do Neorama dos Quadrinhos,
 publiquei no Ziniol, revista de HQ), 
Grécia, entre outros!


 Tony – Exposições “mis”! Bacana! Olha, em se tratando 
de caricaturas e HQs, suponho que 13 prêmios deva ser
 um recorde, pelo menos no Brasil... genial! Parabéns! 
Você merece, bengala-friend... Hoje, Bira Dantas, é um
 nome conhecido e respeitado internacionalmente. 
E o que me faz admirá-lo cada vez mais é esta 
sua simplicidade, seu jeito bacana de ser. Sempre atencioso 
com aqueles que o procuram. Você sempre foi assim?

Ele fez esta caricatura em Brugge, a bela cidade Bélga
BIRA – Eu sempre olhei pra vida, pro mundo e pras pessoas 
como sendo um convidado. E um convidado tem que
 reconhecer o seu lugar e seu papel. Não sou o
 dono de nada. Adoro contar e ouvir histórias,
 já vivi bastante e conheci muita gente. 
Todo mundo, mesmo o mais novato, tem algo 
interessante pra mostrar. Aprendi muito sendo 
professor na Pandora. Vi gente que nunca 
pensou em desenhar, fazer caricaturas maravilhosas.
 Tento ver o que há de positivo no desenho de 
cada aluno e fazer isso fluir. É só ver ex-alunos 
e alunos como Josimar, Carriero, Uenderson, 
Guina, Vanessa. Eles são ótimos e
 me dão o maior orgulho!


Tony – Também sempre acreditei no potencial de 
cada um. Acredito que todo ser humano nasce
 com o dom artístico... uns desenvolvem, outros, não...
 basta fazermos a coisa aflorar que o próprio indivíduo
 acaba ficando espantado com um potencial que 
ele sempre teve dentro de si e que nem se dava conta.
 É incrível. Tô contigo e não abro, parceiro... 
também acho muito gratificante poder ajudar os
 novatos e vê-los, muitas vezes, até  superando
 a  gente. Isto não tem preço. De fato, é gratificante. 
Mas, bola pra frente... Quando comecei eu fazia terror, 
depois, durante 5 anos, eu fazia desenhos cômicos, 
e sentia que os demais desenhistas pareciam desprezar
 todo aquele que não sabia fazer desenhos de figura humana. 
Você já sentiu também isso, por parte de 
alguns colegas de profissão? 
Ou seja, para essas antas, aquele que não sabia fazer 
anatomia não era considerado um desenhista de HQs. 
O que acha disso?


BIRA – Totalmente absurdo. Eu comecei a desenhar, 
copiando super-heróis. Conheci Jayme Cortez que 
me deu dois presentaços: uma aula fabulosa de
 desenho realista e seu livro A Técnica do 
Desenho. Ele me ensinou a entender o 
desenho da santíssima trindade dos Comics:
 Hogarth, Raymond e Foster, de lambuja, 
Neal Adams (RS). Isso aliado a uma carta 
de Naumin Aizen, da Ebal, que me dava dicas
 de como me aperfeiçoar nos Quadrinhos, 
fizeram com que eu me dedicasse integralmente
 ao desenho mais realista, mas assim que 
o cartum aportou em minha vida, 
foi dedicação exclusiva. 
Exceto em alguns casos, como na revista
 Front, que desenvolvi um 
traço menos cômico, mas ainda assim, 
caricatural , no sentido da deformação. 
Mas aquele papo com o Cortez, me acompanha 
até hoje, como um fantasma bonzinho (rs)!


http://www.bigorna.net/index.php?
secao=birazine&id=1237823783 

Durante todo o tempo em que abracei a 
carreira de desenhista cômico, nunca ouvi 
críticas como a que você expôs.
 Pelo contrário, Dálcio o cartunista brasileiro 
mais premiado do mundo, certa vez se 
disse surpreso por eu conhecer tão
 bem a anatomia acadêmica.


Tony – Grande Cortez... você, com certeza, recebeu 
instruções de um dos maiores craques em anatomia
 que já conheci. Se não teve preconceito, deu sorte. 
Mas, no meu caso, enquanto eu não comecei a
 fazer super-heróis meu nome nem figurava
 em nenhum livro sobre HQs.  
O que esses maus-colegas
 de trabalho jamais enxergaram é que nesse país
 os cartunistas sempre se deram bem melhor do
 que os "gênios" que se matam pra fazer desenhos
 anatômicos. Basta ver a longa lista de gente
 que se destacou nesta área, como: Henfil, Jaguar, 
Angeli, Laerte, Glauco, Péricles, você, e tantos outros.
 O que você me diz sobre esses caras que 
se acham superiores aos cartunistas?

Mestre Bira, em Bruxelas, na porta do famoso
 Center Belge de Bande Dessiné



BIRA – Acho que são pobres de espírito. 
Ao invés de criticar, eles deviam aprender com 
os artistas geniais que você acabou de citar. 
O reconhecimento do trabalho deles é notório.
 Eles são procurados por editores estrangeiros. 
São conhecidos e respeitados. O estilo cartum
 é um dos mais reconhecidos como sendo 
o brasileiro no exterior. Como o é o da 
“linha fina” na Bélgica, o bico-de-pena
 italiano, o super herói estadunidense...
Tony - Você já esteve em várias partes do mundo, correto? 
Quais os países que você já visitou?


BIRA - Argentina, Coréia do Sul, França, Inglaterra, 
Bélgica, Escócia e Holanda.


Tony – Que beleza... parece que temos um aventureiro, um 
andarilho, um gira-mundo, entre nós... digamos que
 isso me faz lembrar o grande mestre Hugo Pratt, que tinha 
sede de conhecer outros costumes, outras civilizações,
e que acabou registrando essas viagens em seus 
álbuns maravilhosos. 
Viajar é sempre bom, a gente sempre acaba 
aprendendo muito... Bélgica, vamos falar sobre esse
 país maravilhoso... a Bélgica é o centro das HQs européias.
Conte-nos o que viu por lá. O que mais te fascinou?


BIRA – Sem dúvida, Brugge... escrevi matérias sobre
 Brugge nos links abaixo, Tony... 


http://www.bigorna.net/index.php?
secao=birazine&id=1223225989 
e o CBBD, em Bruxelas http://bigorna.net/index.php?
secao=birazine&id=1219615644 

Eu gostaria de voltar lá. A Bélgica é um país mágico.


Tony – Ouvi dizer que Brugge  é uma cidade linda... mas
 é em Bruxelas que fica a sede oficial das HQs européias,
 uma espécie de museu e lar oficial de todos os  que 
se dedicam as artes gráficas pelo mundo afora, no 
Center Belge de Bande Dessiné, na rue dés Sables, 20.
 Parece que tem 4 mil metros quadrados de área 
construída e recebe cerca de 260 mil visitantes por ano, 
de todo o mundo. Enfim, lá está a casa de todos nós...
 já ouvi falar muito disso. Também dizem que eles 
recebem os artistas, sejam estes de que parte forem, 
de braços abertos.  Um dia espero poder conhecer
 esta fantástica cidade e este importante museu
 de BDs (HQs)... Dizem que aqueles álbuns de luxo 
dos belgas têm pequenas tiragens, é fato?


BIRA – Não sei, vou procurar me
 informar direito.


Tony – Certa feita, conheci um agenciador belga
 que me disse que na Bélgica e na Alemanha estavam 
as melhores gráficas do mundo, com preços campeões... 
e que tirando os álbuns de Tintim e Asterix – dois fenômenos
 de venda-, os demais tinham tiragens pequenas
 para seus respectivos países. O que me impressionou
 foi quando ele me contou que nas gráficas belgas 
eram rodadas, em média, cerca de um milhão de 
cada álbum, destinado à todos os países do mercado 
comum europeu, e que eles – na gráfica -, só trocavam
 os balões com o idioma de origem de cada cliente. 
Por isso, ainda segundo ele, essas impressões, tinham 
um preço maravilhoso... mas, voltando a falar em 
jornadas além-mar... Quais países 
você ainda sonha em visitar?


BIRA – Irlanda, Grécia, Itália, Alemanha, 
Hawaí, Japão e Filipinas.


Tony – Quando embarcar, não se esqueça de avisar 
os amigos, hein? (Rsss...). E que estes seus sonhos de novas
 viagens se concretizem no próximo ano, grande
 carica... Projetos para o futuro?

Cartaz feito em homenagem ao Dia da Consciência
Negra, destacando Zumbi dos Palmares,
o grande líder negro, para a cidade onde Bira mora
atualmente, Campinas, interior de S. Paulo
BIRA – A Ilíada em Quadrinhos, Tim Bravura 
(com Roberto Guedes), Zumbis no Velho 
Oeste (com Leonardo Melo e Fabiano Carriero),
 Diabo Coxo revisitado Ex-Libris (com João 
Antonio Buhrer), coletânea de charges, 
coletânea de caricaturas de quadrinhistas, 
coletânea de Quadrinhos Páginas Non-sense.


Tony – Maravilha! Grandes projetos que, na certa, 
culminaram em grandes publicações.
 Bira, sou grato, por ter feito minha caricatura e
 ter escrito naquele Blog latino sobre as minhas
 criações. Foi uma bela surpresa... 
Todo mundo gostou da minha "carica". 
Ficou show! (Rsss...)


BIRA – Eu que agradeço, Tony. Acho que a gente 
deve reverenciar os mestres sempre. 
O seu trabalho (com toda a soltura do traço
 e irreverência) chamou minha atenção e 
me fez conhecer os roteiros do Guedes.
 Todas as suas criações anteriores e posteriores
 enriqueceram a história do Quadrinho brasileiro
 e isso deve ser alardeado aos quatro cantos.


Tony – O Guedes é um excelente escriba. Mas,você é 
amigo, é suspeito... (Rsss...). Não fiz tanto assim. 
Você sabe, ninguém faz nada sózinho... e se fiz acontecer 
alguma coisa nesse metiê é porque sempre contei 
com o apoio de muita gente boa, que estavam sempre
 a minha volta, que acreditavam nas minhas idéias
 doidas - editores e colaboradores- ... digamos que foi
 um trabalho de equipe, de gente antenada e doida
 para tentar fazer algo em prol das HQs desse país. 
Sempre agradeço à Deus pelas oportunidades que 
surgiram, ao longo dos anos, e à todos aqueles 
que colaboraram comigo. Acho que demos nossa 
pequena contibuição para as HQs brasilerias. 
Mas, nada especial. Só isso. Mas, ainda há muito
 o que fazer... pelo menos, espero (Rsss...). 
Seguindo em frente... Bira Dantas por Bira Dantas?


BIRA - Gaita, traço e cerveja. Um pouco de stress que 
os prazos sempre me perseguem...

Caricaturas feitas por Bira em homenagem aos grandes
mestres das artes gráficas do passado
Tony – É... me disseram que você é um grande gaitista, 
um bluseiro nato. Também sou instrumentista. 
Toco: piano, baixo, violão, guitarra e sou amarradão
 num rock, num blue rasgado e num jazz... 
qualquer dia desses precisamos nos reunir pra “tirar um som” 
regado a brejas geladas, é claro... (Rsss...). 
Que tal uma Jam Session? (Rsss...). A última reunião musical 
que fizemos rolou um som incrível com o amigo 
e grande artista Joás... até o Paulo Fukue, o Hamasaki
 e o Faustão, estavam na roda. O Joás é incrível, tira
 qualquer música no cavaquinho, até rock.
 Foi muito legal e o goró, é claro, correu solto... (Rsss...).
 Grato por sua atenção, tenha um excelente 
Natal e um feliz Ano Novo, e que Deus continue
 iluminando suas idéias criativas e toda a sua
 família, grande Bira! Muito sucesso e um 
ano novo repleto de realizações!
E que as tão sonhadas viagens futuras
aconteçam, é claro. 
A batalha continua!


BIRA – Valeu!
Opa, Tony ! Me esqueci de um detalhe...
Quero fazer uma campanha para o
 troféu Angelo Agostini.
No quesito Mestres, gostaria de pedir o 
voto em dois grandes nomes do 

DAG LEMOS E EDUARDO VETILLO!

Dag Lemos, pupilo de Jayme Cortez e

professor de tantos desenhistas que 
trilham carreiras até internacionais,
editor que marcou presença nas bancas 
de Campinas e do Brasil. 
Em breve, trocará nosso país pelos EUA.
Vetillo, nem preciso falar dele, fui seu
 assistente em 1979 e ele é um artista 
completo, do infanto-juvenil, western,
ficção, super-herói, acadêmico, caricatura.
Ambos são nomes que abrilhantarão 
a premiação do Quadrinho Nacional.


Para votar, é só copiar a cédula no link abaixo, 
votar nos itens que quiser e enviar por e-mail.


http://aqcsp.blogspot.com


/2010/11/cedula-de-


votacao-do-27-premio-angelo.html


Repassem para seus conhecidos.
Toda pessoa que curte Quadrinho
pode votar!

Tony: Valeu, Grande Bira! Taí dois caras que 
eu admiro e que, de fato, merecem serem
votados! Vamos lá, pessoal!


OBS: Todas as imagens contidas nessa entrevista
pertencem aos respectivos donos. Foram usadas de
forma meramente ilustrativa.


Copyright 2010\Tony Fernandes\
Estúdios Pégasus - Uma Divisão
da Pégasus Publicações Ltda\ 
São Paulo - Brasil
Todos os Direitos Reservados

6 comentários:

  1. Ô Tony, não seria melhor concentrar essas entrevistas lá no outro blog, http://tonyfernandespegasus.blogspot.com, onde você já vinha fazendo entrevistas? Eu nem sabia da existência deste aqui, só fiquei sabendo porque recebi um e-mail do Roberto Guedes falando da entrevista dele neste blog.

    ResponderExcluir
  2. Ambos os Blogs, Jean, foram feitas para esta finalidade: entrevistar as feras das HQs nacionais, num importante registro, que em breve deverá virar um livro com os entrevistados.
    Quem tá antenado no Facebook, Twitter, Google Read, etc... sempre estão bem informados qtos a essas entrevistas e sobre ambos os Blogs, que está tendo até repercussão internacional.
    Mano-amplexoe grato por sua visita!

    ResponderExcluir
  3. Tony, parabéns por mais essa estupenda entrevista! Super-Bira é o maioral! Ah, e ainda toca gaita feito um bluesman legítimo! :)

    ResponderExcluir
  4. Hello! Your site really interesting, especially the pictures I really love and see the movies,
    I recently came across your blog and have been Watching and looking pictures along. Please comment my blog. chamkhmerangkor
    I have enjoyed your web blog. Nice blog. I will keep visiting this blog very often. You have a good job, thanks your invited my site.

    ResponderExcluir
  5. Jussara Lanzellotti17 de junho de 2011 12:20

    Tony! Uma grande figura, entrevistando Bira Dantas, outra grande figura!!!! A entrevista ficou um " Uma grande obra de arte"!!! Parabéns Tony! Parabéns Bira!
    Grandes personagens da nossa história! Viva Brasil! Beijos Jú

    ResponderExcluir
  6. Jussara Lanzellotti17 de junho de 2011 12:24

    Tony! Uma grande figura, entrevistando Bira Dantas, outra grande figura!!!! A entrevista ficou um " Uma grande obra de arte"!!! Parabéns Tony! Parabéns Bira!
    Grandes personagens da nossa história! Viva Brasil! Beijos Jú

    ResponderExcluir